Alex_Oliver1Nascido em Fortaleza, no dia 14 de novembro de 1971, Alex Oliver é um artista plástico com um talento impar.

Seu trabalho como escultor, auxiliado pelo domínio da anatomia, já é reconhecido mundialmente e ele trabalhou para várias empresas como Blizzard Entertainment (onde trabalhou como “character modeler”), Discovery Channel, National Geographic Channel e Gnomon School, onde já deu palestras.

Alex está ministrando workshops de escultura tradicional com modelo-vivo em uma fábrica de massas e materiais para escultores chamada DimClay em São Paulo, do qual tive o prazer de participar de uma das turmas e fazer essa entrevista abaixo para vocês conhecerem mais sobre ele e seu trabalho. Leiam a seguir:


Fale um pouco sobre você.

Eu sou de Fortaleza e moro lá. Sou escultor, desenhista e também trabalho com modelagem digital, autodidata por formação. Atualmente tenho focado mais em dar aulas e criando algumas peças para clientes, coleções particulares.

Seu pai também foi artista plástico, qual foi a importância dele para sua carreira.

Meu pai é desenhista e pintor de tela, então teve influência porque nasci em um lar em que ele sustentou toda a familia com arte.

Apesar de pra mim nunca existir incentivo, digamos assim financeiro… apoio.

De certa forma eu notei que ele não teve uma participação mais direta. Até mesmo a escolha da escultura foi inteiramente minha, ele não teve nenhum tipo de influência por ele ser realmente um pintor e nunca teve formação como escultor.

c3bb3a6319f46a8bc20a8a205872f0daVocê enfrentou dificuldades? E como você as superou?

As dificuldades foram muitas, você viver de arte no Brasil é extremamente complicado. Primeiramente você tem que se destacar muito pra conseguir atingir o mercado exterior que é realmente onde estão os trabalhos. Porque se você focar apenas no Brasil a coisa é complicada. Minha maneira de superar foi focar no mercado exterior e dessa forma conseguir superar as dificuldades de estar morando no Brasil, dependendo do mercado nacional.

Como foi a sua estadia na Califórnia e trabalhar na Blizzard? 

Foi fantástico, a empresa é realmente um sonho, uma experiência sem igual e a Blizzard  é uma das melhores empresas do mundo, foi inesquecível no aspecto profissional porque você acordar todo dia e fazer aquilo que gosta, modelar os personagens que você já fazia em casa, e te pagarem por isso… foi uma experiência inigualável.

Durante o curso que você deu em São Paulo você disse para o pessoal que um escultor deve saber mais do que esculpir se quiser ser realmente criativo, ele deve saber desenhar também. Fale mais sobre isso.

O desenho é o fundamento para a arte, você pode ser somente um pintor, um desenhista ou um escultor, mas hoje, no mundo que a gente vive, quanto mais informação, quanto mais você tiver a oferecer, melhor será pra você.

Se você conseguir estudar outros aspectos da arte ou dentro da sua área vai te dar um leque de possibilidades muito maior. Se você sabe esculpir e desenhar também, pode unir as duas coisas e isso vai te abrir portas com possibilidades inigualáveis. Então se você não quer ser só mais um eu acho que é importante você estudar e adquirir outras habilidades.

Onde você encontra inspiração para o seu trabalho?

A minha inspiração vem muito de filmes, da própria arte, historia da arte clássica. Tenho um acervo grande de livros e geralmente os uso para me inspirar quando estou procurando alguma referencia ou tema pra explorar, então sempre vou buscar no que já foi feito. Na própria historia da arte pego alguns artistas clássicos como Michelangelo ou Bernini e utilizo como referência.

Quem são seus artistas favoritos, tradicionais ou digitais, explique porquê?

Tradicional eu gosto muito do Bernini, Carpeaux e Michelangelo, são os meus preferidos.

De desenho tem o Mauricio Takiguthi e no digital eu gosto muito do Antropus, que é um brasileiro, Kris Costa, por causa da incrível habilidade de trabalhar rapidamente uma textura em um modelo dele. Ele demonstra uma habilidade muito grande em conhecimento técnico e artístico.

Gosto de outro brasileiro, Fausto Martini, trabalhei com ele na Blizzard, por causa dos designs que ele cria, os maquinários. Ele tem um concept pra maquinários incrível e é essa a razão pra eu gostar do trabalho dele.

10337767_1431592057125771_5777097704237942473_n

Quais são as suas ambições artísticas atualmente? O que podemos esperar ver de você no futuro?

Eu pretendo dar uma parada em workshops e em trabalhos comissionados e focar em uma produção própria visando entrar em alguns museus e galerias, mas pra isso eu preciso realmente parar, fazer uma pesquisa e desenvolver um trabalho mais autoral. No futuro essa é uma das minhas missões.

10 motivos para fazer o workshop de modelo vivo com Alex Oliver segundo um dos alunos do curso:

workshop_alex_oliver

1. Qualidade: Sim amiguinhos, nada de modelagem fácil, as informações são dinâmicas e consistentes, um legítimo divisor de águas nesse quesito.

2. Informação: Muita, mas muita informação útil durante todo o curso, e não para! Até nos intervalos do café e do almoço se fala em escultura, técnicas e planos, uma coisa rara nos dias de hoje, em nenhum momento se falou de futebol ou do próximo show do Wesley Safadão.

3. Modelo vivo: Em um mundo moderno com imagens de trocentos mil mpx pra que ter um modelo vivo ali a disposição? Para mostrar as nuances dos volumes, para mostrar os detalhes da musculatura, de como a respiração ou a mudança de peso em uma perna destaca partes do corpo, e ainda ver o giro de 360º da modelo.

11986431_1658510701100571_4935867013530349969_n

4. Auto critica: Sabe aquela escultura do Kratos e do Pikachu que você fez em dois dias e que tua mãe e tua avó acharam o máximo? Durante as aulas esses elogios serão todos desmentidos. Você vai perceber que suas peças magníficas não valem nada, que foram concebidas de forma errada, e você vai agradecer por isso.

5. Perfeição: O cara vai calmamente lhe dizer para você fazer e refazer uma peça várias vezes até ela ficar boa, e que o sobrinho de dez anos da amiga da prima da sua irmã que modela maravilhosamente com massinha de modelar sem nunca ter estudado, não passa de uma lenda urbana.

6. Ego: Se você tem necessidade de que sempre digam que seu trabalho está perfeito, esqueça. Ele vai te corrigir, vai apontar os seus erros, não se importando em te agradar, falando a verdade. Mesmo que ela doa.

7. Materiais: As massas nacionais são excelentes, e não existe clay mágica!! Tu vê nos vídeos os artistas com massas maravilhosas que praticamente se modelam sozinhas, não vê? Antes do material, existe o profissional com muito treino e estudo. E ele te recomenda usar as nacionais, as quais vc tem de fazer tudo, sem mágica, por isso que elas são mais baratas.12241383_1657485954536379_775988366635552133_n copy

8. Aprendizado: Você faz o curso achando que vai sair como um novo Michelângelo, um novo Rodin, mas nada. Você aprende um pouco e descobre que tem de aprender muito mais, talvez até pro resto da vida, e que até o instrutor ainda estuda.

9. Local: O local do curso é dentro de uma fábrica de massas e materiais, de fácil acesso para os alunos, a sala de aula impecavelmente arrumada e bem iluminada, o palco alto para a modelo, as câmeras filmando toda a aula, cafezinho, sucos, bolos e biscoitos. Existe uma teoria da conspiração que afirma tudo isso foi montado para te distrair e te fazer comprar mais na loja da fábrica.

10. Receptividade e confiança: Você chega e é recebido como se fosse na casa da tua madrinha, vai almoçar e o instrutor e o dono da fábrica vão juntos como se fossem seus amigos de infância, e ainda conversam contigo. Coisa rara hoje em dia. Isso sem falar nos outros alunos que trocam informações uns com os outros no maior intercâmbio de conhecimentos.

Motivo extra:

11. $$: Se você achou o preço caro, eles vão te parcelar o pagamento, vão dizer que tem hospedagem perto, que o acesso é fácil. Conhecimento e segurança, não são gastos, e sim, investimentos, rá!

Bom, se esses motivos não mudarem a sua idéia sobre se vale ou não fazer o workshop com modelo vivo, nada mais o fará.

O destino de vocês está em suas mãos, a um clique de mouse.

P.S.: Fotos gentilmente surrupiadas do perfil do Alex. 😛

Quer saber mais sobre a vida de Alex Oliver e seu trabalho? Assista seus videos e siga seu canal no Youtube. Toda semana tem um video novo com dicas e sua história.

Be Sociable, Share!